Desjejum saudável, a melhor maneira de iniciar o dia

Mais popularmente chamado de café da manhã, a palavra desjejum vem do latim disjejunare (quebra do jejum), ou seja, representa a quebra do jejum involuntário mantido durante o sono. A palavra também deu origem ao francês déjeuner e ao castelhano desayuno, com o mesmo significado. Da mesma maneira, a expressão inglesa breakfast retém o significado original do latim (break, "quebrar" e fast, "jejum").

A maioria das pessoas costuma fazer uma refeição rápida antes de sair de casa. O cardápio mais comum é café com leite e pão com manteiga e, às vezes, uma fruta. Alguns, nem fazem o café a manhã, com o pretexto da falta de tempo. Mas essa é uma atitue errada, que deixa o organismo com um déficit de energia.

Por que é importante comer algo pela manhã?

Durante o período do sono, passamos várias horas sem nos alimentarmos e nem sempre sentimos os primeiros sinais de fome imediatamente após despertar. Muitas vezes só percebemos isso no meio da manhã. E nem sempre é possível fazer um lanchinho nesse horário, o que fará a fome aumentar muito até o horário do almoço e certamente se comerá em excesso.

Começar o dia sem suprir as necessidades energéticas tem suas consequências. É comum faltar pique para realizar as tarefas ao longo da manhã. Muitas pessoas não relacionam a pouca disposição a essa alimentação deficitária. Em crianças que estudam no período da manhã, pode causar sonolência, que leva à falta de atenção, levando até a um baixo rendimento escolar.

É no início do dia que precisamos de alimentos que funcionam como combustíveis para o corpo. Uma boa alimentação pela manhã, fará com que a pessoa se sinta bem até a próxima refeição.

Como deve ser o cardápio matinal
Vamos observar a pirâmide dos alimentos:piramide_sonia_tucunduva

Como nas demais refeições do dia, o desjejum deve conter pelo menos um alimento de cada grupo :CEREAIS, PÃES: devemos sempre dar preferência pela versão integral, optando entre pães, bolachas salgadas, cereais matinais, aveia ou farelos. Estes alimentos são nossa principal fonte de carboidratos.

FRUTAS: principal fonte de fibras, vitaminas e cereais, além de fornecerem carboidratos. Devem ser utilizadas com casca, para melhor aproveitamento dos nutrientes. Os sucos não devem ser coados.

LEITE E PRODUTOS LÁCTEOS: são alimentos importantes, em qualquer faixa etária. Fonte de cálcio e proteína, podemos optar pelo leite desnatado ou semi desnatado, reduzindo assim o consumo de gordura, sem sofrer alteração nos nutrientes principais. O leite em pó mantêm as mesmas propriedades do leite fluído, desde que preparado conforme as instruções do rótulo. Os iogurtes e queijos também são boas fontes destes nutrientes, e como no caso do leite, as versões com baixo teor de gordura (light) mantêm suas propriedades. Os queijos magros são mais indicados para serem usados no dia a dia e os queijos amarelos, mais gordurosos, devem ser deixados para ocasiões especiais.

AÇUCARES E DOCES: alimentos altamente calóricos, devem ser usados com cautela e em pequenas quantidades, principalmente quando se deve fazer restrição calórica. As versões sem açúcar, são apropriadas tanto para diabéticos como em casos de restrição calórica mas, mesmo assim, não se deve abusar destes alimentos. Geléia, mel, gelatina, bolos simples, são boas alternativas para o café da manhã.

GORDURAS: procure evitar manteiga e margarina, opte pelos queijos magros que fornecem menos calorias.

A quantidade de cada alimento, irá variar conforme a necessidade calórica de cada individuo.

Varie os ingredientes, mantenha o equilíbrio entre os nutrientes e faça do desjejum uma excelente refeição para começar o dia.

Prof. Dr. Marcello D. Bronstein – Endocrinologista
Christie Willis Spadão - Nutricionista