Inverno – Cuidado com o Aumento do Apetite

Quanto maior a sensação de frio, maior o apetite, uma vez que em temperaturas extremamente baixas o metabolismo basal pode aumentar em até cinco vezes para manter a temperatura normal do organismo. Além do impacto da temperatura externa, ainda temos a influência da sensação térmica, que vai depender de alguns fatores como taxa de gordura corporal, intensidade da atividade física e vestimenta.

A fome também é uma resposta do organismo para otimizar o isolamento térmico através do aumento da gordura corporal. Por isso a preferência por alimentos calóricos, principalmente ricos em gordura, como chocolate, queijos, feijoada e etc.

Estudos científicos feitos nas últimas duas décadas, com o objetivo de avaliar o efeito das mudanças de hábito durante os períodos mais frios do ano, mostram que há uma tendência de terminar o inverno com dois a cinco quilos a mais.
O fato de o corpo ficar menos exposto durante a estação fria, coberto por roupas pesadas que escondem os quilinhos a mais, leva muitas pessoas a se descuidarem, deixando de lado práticas saudáveis, como a dieta equilibrada e atividade física regular, em prejuízo da saúde e da estética.

Profissionais da área esportiva comentam que é comum as pessoas ficarem mais preguiçosas, evitando acordar cedo para caminhar ou ir à academia, diminuindo assim a frequência do exercício físico. É preferível mudar os horários a deixar de fazê-lo.

Existem alguns truques para ajudá-lo a driblar o frio, sem exagerar no consumo de alimentos calóricos.

• Para diminuir o desejo por comidas calóricas e quentes, faça pequenas refeições a cada três horas. A termogênese causada pela digestão de alimentos gera um adicional de calor e gasta energia na própria digestão. Mas essas refeições devem ser pequenas, leves e ricas em nutrientes;

• O chocolate quente do café da manhã pode ser preparado com leite desnatado e achocolatado sem açúcar ou café;

 • No almoço, faça uma refeição tradicional. Se as saladas sortidas não lhe apetecem, consuma verduras refogadas e não esqueça dos legumes cozidos. A fruta, como sobremesa, não pode ser deixada de lado.

• As sopas e caldos são boas opções para o jantar. O ideal é que elas contenham uma fonte de carboidrato (arroz, macarrão ou batata), uma fonte de proteína (carne bovina, frango, ovo) e legumes e verduras de sua preferência. Evite utilizar na preparação creme de leite, molho branco, manteiga, óleo ou azeite em excesso e acompanhamentos como torradas e queijos gordurosos.

• Pêra, banana e maçã aquecidas ao forno com mel e canela ficam apetitosas e substituem o doce. Os doces devem ser consumidos com cautela, prefira os caseiros como doce de abóbora, banana e goiaba.

• Modere o consumo de bebidas alcoólicas. Lembre-se que elas fornecem muitas calorias ao seu organismo, sem nenhum nutriente.

• Cuidado com fondue de queijo e chocolate, são preparações muito calóricas. No dia da feijoada, abuse da couve e evite as carnes gordas. Reuniões com queijos e vinho também exigem cautela. O ideal seria ter queijos magros e também talos de erva doce, pepino e cenoura. Não há necessidade de evitar estas preparações, afinal não são preparações rotineiras, mas coma com moderação.

A vontade de beber água diminui nos dias frios, pois a atração é maior pelos líquidos quentes. Por isso, mantenha uma garrafa térmica com chá. Prefira os de ervas, frutas ou flores. O chá preto e o chá mate devem ser bebidos com moderação, pois são ricos em cafeína.

Prof. Dr. Marcello D. Bronstein – Endocrinologista
Christie Willis Spadão - Nutricionista